5 problemas culturais que podem atingir negócios internacionais

O avanço tecnológico e a expansão internacional das empresas está fomentando o convívio de diversas culturas em uma mesma organização. Para que a barreira da diferença não atrapalhe o sucesso de empreendimentos, é preciso criar estratégias para superar os problemas culturais e transformar isso em benefício.

Ainda que no mundo corporativo os princípios sejam semelhantes para todas as empresas — comprar, vender, negociar, formar parcerias — algumas situações peculiares, envolvendo culturas locais, podem atrapalhar ou determinar o sucesso de uma marca ou produto.

Se você atua em um ambiente como esse é preciso tomar alguns cuidados. Por isso, apresentar alguns problemas culturais que podem afetar negócios empresariais e mostrar suas soluções é o objetivo deste artigo. Confira!

1. Saudações e cumprimento no ambiente de trabalho

Em alguns países pode ser considerado ofensivo o homem cumprimentar uma mulher com beijo no rosto, um ato visto como normal no Brasil. Nos Estados Unidos, por exemplo, uma saudação seguida de um beijo no rosto, dentro do ambiente de trabalho, não é nenhum pouco aceitável.

Seja estritamente profissional. Cumprimente homens e mulheres da mesma forma e, se possível, se dirija aos colegas pelo sobrenome — cultura adotada pelos americanos no ambiente de trabalho.

2. Maneiras de conversar

Uma das barreiras que podem trazer grandes problemas durante uma negociação é a forma de conduzir uma conversa. Na Argentina, por exemplo, é um hábito rude perguntar onde as pessoas trabalham. Mas, quando se trata de família, os argentinos são bem indiscretos e costumam perguntar sobre os membros da família em todo tipo de conversa.

A solução nesse caso é a mesma que aprendemos desde cedo: ouça mais e fale menos. Se não tem certeza que alguma pergunta será considerada ofensiva, melhor não fazer. E se for abordado por um questionamento que lhe pareça estranho, responda o básico e mantenha a conversa numa zona segura.

3. Formas de negociações

Grandes empresas já perderam a oportunidade de fechar parcerias por não saberem lidar com formalidades durante as negociações. Existem países que acreditam que a forma que o administrador age nas negociações é a sua forma de dirigir a empresa.

Na Índia, por exemplo, existem duas regras básicas para iniciar uma conversa de negócios:

  1. Perguntar como a pessoa quer ser tratada.

  2. Utilizar um título profissional ou acadêmico.

Além disso, os indianos não se mostram apressados para finalizar as negociações. Jamais se mostre impaciente. Para eles, quanto maior a demora, melhor está correndo a negociação.

4. Simbologia e religião

Assuntos delicados que, inseridos no mundo corporativo, podem trazer problemas irreversíveis. Um dos países em maior crescimento econômico é a China. Em contrapartida, os chineses são pessoas extremamente religiosas e supersticiosas e podem deixar de fazer negócios caso sintam que as suas crenças estão sendo desrespeitadas.

Por isso, é recomendável ao máximo não falar sobre religião durante os negócios. Além disso, alguns presentes e gestos podem ser vistos como desrespeito, má sorte e até má influência.

Como na China existe uma grande diversidade, pesquise bem as peculiaridades da região e, se possível, até da pessoa com a qual negociará e adapte-se.

5. Momento certo para negociar

No México, mesmo que o seu sócio ou negociador o convide para sua casa, é considerado ofensivo se você começar a falar sobre assuntos profissionais. Nesse caso, aja como numa visita social na casa de um amigo, mantendo a polidez necessária, e aguarde até que o anfitrião comece os assuntos sobre negociação.

Em suma, ficar atento a situações que podem se tornar problemas culturais também é um sinal de respeito pela tradição de outros países. É preciso entender as particularidades das pessoas, buscando manter um bom clima organizacional e tornar as diferentes formas de pensar um aliado para inovação e solução de problemas.

Gostou do artigo? Quer saber mais sobre o este e outros assuntos? Curta a nossa página no Facebook.