Exportar para o Brasil: o que é preciso saber para entrar no mercado

Considerada a maior economia da América Latina, o Brasil atrai cada vez mais negócios estrangeiros, mas exportar para o Brasil não é uma tarefa tão simples. A alta carga tributária aliada a sistemas complexos podem criar certas barreiras, dificultando e encarecendo a realização de grandes negócios.

No entanto, tudo se baseia em conhecimento. Quando você estuda as leis e o mercado, passa a compreendê-lo melhor e enxergar oportunidades incríveis.

Quer exportar para o Brasil? Descubra agora o que é preciso saber para entrar no mercado:

1. Negócios potencialmente mais promissores

O primeiro passo é descobrir quais produtos e serviços são mais importados pelo país. Atualmente, produtos químicos, máquinas e equipamentos industriais, petróleo, automóveis e materiais elétricos e de comunicação encabeçam a lista dos principais.

Contudo, o mercado é bem diversificado, fazendo com que produtos médico-hospitalares, alimentícios, bebidas, eletroeletrônicos e de informática também gerem grandes oportunidades. Além dos exemplos, várias outras áreas podem ser promissoras. Pesquise.

2. Poder de consumo do brasileiro (B2C) e potencial (B2B)

Caso queira fazer vendas ao consumidor final, saiba que o poder de compra do brasileiro não é dos mais altos do mundo, porém,  se encontra em posição intermediária na América Latina.

Em contrapartida, ao se analisar a distribuição de renda dentro do país, encontra-se alta concentração, o que significa que, no Brasil, uma parcela da população tem renda per-capita anual comparável com a renda per-capita de países de primeiro mundo, porém a maior parte fica bem abaixo. Ou seja, segmentar o mercado, para o seu produto será importante ao se ter o Brasil como alvo.

Já para exportar para empresas brasileiras, as oportunidades são muito amplas. Muitas empresas brasileiras de diversas áreas têm atuação internacional e buscam parceiros internacionais para passarem a atuar ou para conservarem sua presença em outros países ou mesmo para terem oferta local diferenciada em relação à concorrência. No caso de almejar mercados B2B, uma dica é procurar por associações de empresas da área em que busca. Exemplo: para empresas de TI, a ABES (Associação Brasileira das Empresas de Software) é uma importante associação brasileira desse setor.

3. Carga tributária

O Brasil é um país que tem carga tributária relativamente alta, principalmente nas importações de alguns produtos específicos.

Algumas taxas e impostos são utilizados unicamente para reduzir ou inibir a entrada de certos produtos estrangeiros. A finalidade do governo é valorizar o produto nacional e movimentar o mercado interno com isso.

No entanto, se você deseja exportar para o Brasil um produto não fabricado no país e escasso no mercado interno, poderá ter grandes benefícios e incentivos.  Existem também incentivos tributários para a abertura de operações e fábricas que gerem empregos no Brasil.

4. Burocracia

O Brasil possui muitas normas, regras e procedimentos que figuram nas etapas necessárias para regularizar uma exportação. É importante estar atento e contar com o apoio de especialistas locais para auxiliar na parte burocrática e no entendimento de leis e interpretações de leis que, com auxílio de especialistas como contadores, advogados e consultores, podem fazer toda a diferença para a viabilidade de cada negócio.

Além de documentos complexos e autorizações exigidas por vários órgãos governamentais, o tempo é outro fator que deve ser levado em conta na hora de planejar a exportação. Novamente, contratar parceiros locais é recomendado.

5. Cultura

A maior parte dos consumidores brasileiro não possui perfil de poupador e esses consumidores são atraídos pela publicidade e propaganda. Caso consiga trazer para o Brasil um produto não facilmente acessível anteriormente ao público e que consiga captar algum tipo de anseio não esperado pelo consumidor, seu produto pode se tornar um sucesso de vendas.

Como o país possui diversas datas comemorativas presenteáveis ao longo do ano e a população se deixa levar pela emoção, a economia fica sempre aquecida, atraindo o interesse de muitos investidores estrangeiros.

Outra cultura no país é a exigência de produtos com embalagens contendo rótulos bem informativos. Isso inclui especificações de qualidade, quantidade (volume), composição, garantias, origem, data de validade, formas de armazenamento, riscos e dicas de segurança. Tudo isso escrito no idioma local e de forma bem clara e legível.

6. Tradução de conteúdos

Para ficar em conformidade com a lei, o exportador precisará entregar seus produtos com rótulos, descrições e documentos no idioma local.

Como o português é um idioma que poucos no mundo falam fluentemente, o ideal é procurar uma empresa de tradução no Brasil para ajudar, pois já estará inserida no mercado interno e dará dicas essenciais para a boa aceitação do produto pelo público consumidor.

A empresa também deve ajudar na adaptação de conteúdos para atender o mercado mais adequadamente e evitar que o exportador tenha problemas com a Justiça brasileira.

O Brasil pertence ao grupo dos Brics junto com Rússia, Índia, China e África do Sul. Isso quer dizer que o país é considerado um mercado emergente e de grande potencial de crescimento. Mercados assim podem  gerar grandes oportunidades de negócios.

Resumindo, exportar para o Brasil exige a superação de grandes desafios, mas vale a pena pelas oportunidades em potencial.

Gostou das dicas? Descubra também a importância do conhecimento cultural de outros países para as traduções!