Tradução automática | Você confiaria integralmente em um robô?

Com a evolução da linguagem de computadores e de ramos como a inteligência artificial, a tradução automática se popularizou e se tornou algo comum, sendo até mesmo encarada por alguns como uma solução rápida e barata para demandas de tradução. Contudo, ela na realidade é apenas uma ferramenta que deve ser utilizada para se adquirir noções gerais de um tema, ajudando principalmente indivíduos leigos no idioma-alvo. Seu uso também requer cuidado, pois ela pode induzir o usuário a erros de interpretação, traduzindo palavras sem levar em conta o contexto e gerando ambiguidade e incoerência ao longo do texto.

 

Segundo a Associação Europeia de Tradução Automática, a tradução por máquina, ou tradução automática, é uma modalidade de tradução realizada de forma integral e automatizada por um sistema computacional. Ela não deve ser confundida com outros tipos de sistemas de tradução, como a Tradução Humana Auxiliada por Máquina (MAHT – Machine-Aided Human Translation) e a Tradução por Máquina Auxiliada por Humanos (HAMT – Human-Aided Machine Translation), que podem envolver o uso das chamadas CAT (Computer-Aided Translation) Tools. Estas, porém, podem auxiliar o processo de pós-edição de tradução automática, com a busca em dicionários, uso de glossários e de memórias de tradução, mas ainda precisando de auxílio profissional.

 

Existem dois tipos de tradução por máquina: a direta, que traduz um par de idiomas em um único sentido de forma literal e mais limitada, e a indireta, em que o processo de análise do idioma de partida e do de chegada é independente. Em qualquer caso, a interferência, a revisão e o manuseio por um tradutor são indispensáveis.

 

Um estudo embasado numa pesquisa envolvendo alunos da Universidade Federal de Santa Catarina propõe mostrar as armadilhas que acompanham o uso dessas ferramentas sem uma posterior revisão por um profissional especializado. Foi mostrado aos alunos um texto em português dentro do seu universo de conhecimento – no caso, a cidade de Florianópolis, Santa Catarina – e as suas versões traduzidas por uma ferramenta de tradução automática. Observe alguns resultados obtidos:

 

Exemplo 1

 

Texto original: Floripa agrada vários tipos de turistas.

Tradução automática/Inglês: Floripa like various types of tourists

Tradução automática/Espanhol: Floripa, como diversos tipos de turistas.

 

Exemplo 2

 

Texto original: Lagoas, morros verdes e pelo povo hospitaleiro, o famoso Manezinho da Ilha

Tradução automática/Inglês: Lakes, green hills and the friendly people, the famous Manny Island.

Tradução automática/Espanhol: lagos, colinas verdes y la gente amistosa, la famosa Isla de Manny.

 

Nesses trechos, foram constatados erros de localização cultural e semântica, aspectos que fogem ao discernimento da máquina em um processo de tradução automática, uma vez que sua capacidade de interpretação não se compara ao de um tradutor especialista, que deve conhecer o idioma de origem, o tema e que se prepara com pesquisa e informação para garantir que a mensagem chegue de forma íntegra ao idioma-alvo.

 

A ZAUM, como promotora da comunicação multilíngue, investe nas mais modernas ferramentas de auxílio à tradução, bem como incentiva seu aprendizado e atualização por parte de seus tradutores. No entanto, é imprescindível salientar que uma tradução de qualidade não se baseia em uma tradução palavra por palavra. Para garantir um trabalho de qualidade, é necessário que ele seja assistido por uma equipe profissional composta por gerentes de projeto, revisores e, principalmente, tradutores especializados.