Orientações e apoios iniciais para exportação de Software e serviços de TI

As razões para uma empresa brasileira de base tecnológica começar a pensar em exportação de Softwares ou de Serviços de TI (Tecnologia da Informação), por exemplo, são diversas. Muitas vezes, o mercado local não tem capacidade de absorver tão bem a tecnologia feita por aqui. Lá fora, serviços de TI e software alcançam muito mais gente e mercados bem mais maduros.

Outro fator importante é que os custos de vida e de produção no Brasil costumam ser menores que os de outros países que são destino para a nossa tecnologia. Justamente por isso, cada vez mais empresas de fora buscam o outsourcing em locais como o nosso país. Essa vantagem competitiva faz com que a margem de lucro para quem fabrica software aqui e vende lá fora seja potencialmente maior.

Lançar um produto ou prestar um serviço para o exterior exige alguns cuidados básicos. Por isso, separamos dicas para empresas que querem se internacionalizar e não sabem por onde começar:

Entenda seu destino

O primeiro passo para uma empresa que pretende começar a exportação de serviços de TI é a compreensão do novo mercado em que ela vai se instalar. Algumas empresas novas que já começaram com uma visão global têm mais facilidade nesse momento.

Veteranos que já fazem software há anos no Brasil precisam enxergar as adaptações que devem ser feitas para seu produto no novo país. Na verdade, no momento da escolha desse novo mercado, é crucial avaliar se existem oportunidades para os seus serviços.

Busque apoio em entidades

Para quem pretende começar a exportar serviços de TI, uma dica é encontrar apoiadores que podem facilitar o caminho lá fora. Associações são um bom primeiro passo: a Softex apoia a indústria brasileira de software e serviços de TI e compartilha conhecimentos e contatos com quem está pronto para a expansão internacional. Na área de desenvolvimento de jogos eletrônicos, que cresceu 600% nos últimos 8 anos, segundo o IBGE, a referência é a Abragames.

Além dessas, o apoio da Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) é importante. A entidade trabalha justamente para fortalecer empresas brasileiras lá fora e já conta com especialistas em exportação de serviços de TI. Por fim, uma dica especial para quem quiser se aventurar no Vale do Silício, polo de tecnologia global, é procurar o pessoal da Bay Brazil, um associação feita por profissionais brasileiros na região.

O Brasil ainda não é um dos maiores exportadores de TI, mas a situação melhora a cada ano. Hoje, inúmeras startups e empresas de base tecnológica recebem investimentos no exterior, muitas grandes companhias lá de fora contam com outsourcing feitos por brasileiros. Portanto, a oportunidade para internacionalização é muito boa, basta se preparar adequadamente.

Encontre um bom serviço de tradução e localização

Isso é básico para qualquer um que pretende expandir seus negócios para fora do país. Mesmo se o serviço que sua empresa presta for excelente ou até genial, erros de ortografia e traduções que soem amadoras queimam o filme logo de cara.

Na verdade, um serviço de localização bem feito envolve uma tradução perfeita do ponto de vista ortográfico e a adaptação do conteúdo dos textos para a localidade escolhida. É fácil perceber a importância disso: normalmente, um texto traduzido para o português falado em Portugal não funciona bem no Brasil, não apenas pela linguagem, mas pelo uso de expressões e exemplos que não são usados por aqui.

Portanto, busque um serviço de localização profissional para o seu projeto de internacionalização, que compreenda não apenas os dois idiomas da tradução como também as peculiaridades do novo território. E claro, contrate só quem entende também de exportação de serviços de TI, para não correr o risco do valor ficar perdido na tradução.

Aprendeu mais sobre como funciona a exportação de TI? Aproveite então para ler esse artigo sobre a importância da adaptação do idioma.