Gestão terminológica | O que você quer dizer com isso?

Fazer-se entender parece algo simples: você utiliza certo código linguístico para expressar suas ideias, o receptor, que compartilha desse mesmo código, interpreta e compreende a mensagem. Certo? Bom, se pensarmos que ruídos de comunicação podem ocorrer entre pessoas que compartilham o mesmo código, a mesma cultura e estão inseridas em um mesmo contexto social, imagine a infinidade de problemas que poderá surgir se um desses três aspectos for dissonante entre os interlocutores?

A ZAUM entende essa questão e está pronta para lhe ajudar a superar as barreiras da gestão terminológica.
 

Lembre-se de algum dos seus anúncios de marketing, de um material de treinamento ou do layout do seu website. Agora considere o quão árduo foi chegar a determinada cor, termo, conteúdo, imagem, resultado de pesquisa ou, ainda mais importante, alcançar reputação. Tudo isso exige tempo, esforço e dinheiro, e quando se fala em imagem e reputação tudo se torna ainda mais importante, afinal, esses são dois dos ativos mais valiosos para uma pessoa ou uma organização.

 

Essa é uma das questões principais ao se escolher um serviço de tradução profissional. Ainda que todos os funcionários da empresa sejam fluentes no idioma de origem e se sintam confortáveis para traduzir alguns materiais, corre-se o risco de se esbarrar em questões terminológicas muito específicas e, sobretudo, elementos culturais.

 

É muito fácil encontrar pela rede exemplos práticos de marcas famosas que passaram por situações delicadas, não só pelo conteúdo a ser traduzido, mas também por questões de localização, o que se refere a todo o contexto intercultural e idiomático. Assim, elementos como ícones, símbolos, cores e signos precisam ser repensados e adaptados durante a tradução.

 

Em novembro de 2015, na Convenção do Clima da ONU, que celebrou um dos maiores acordos climáticos entre 195 países, autoridades se depararam com o uso ambíguo dos verbos shall e should durante a discussão de metas. Shall carrega um conceito legal de obrigação, enquanto should pende para obrigações de cunho moral. Em se tratando de um acordo internacional, no qual ações de países estão passiveis de veto perante o cenário internacional, esse detalhe pode mudar tudo e se torna um tanto arriscado.

 

Outro exemplo, menos global, que carrega também um dever de responsabilidade civil, é o de um Hospital de Berlim que teve problemas durante cirurgias de implantes em pacientes. Os cirurgiões responsáveis receberam uma tradução equivocada do procedimento cirúrgico do implante, o qual, no idioma de origem, especificava uma etapa e ao ser traduzida a palavra adquiriu um significado totalmente oposto, ou seja, ocasionou a isenção da etapa. Resultado: os pacientes tiveram que realizar um segundo procedimento cirúrgico corretivo.


Com a grande disponibilidade de informações, as pessoas passaram a realizar pesquisas de produtos pela internet. Nelas, os consumidores encontram todas as informações que influenciarão seu processo decisório de compra, e um termo mal utilizado pode fazer com que sua marca simplesmente passe–– despercebida nessa fase de pesquisa. Portanto, uma gestão terminológica faz com que seu produto se torne acessível aos sites de pesquisa e, consequentemente, aos olhos do consumidor.


Ainda que existam ferramentas que armazenam e atualizam terminologias, nada adiantará se a pessoa diante dela não estiver ciente da necessidade de uma busca refinada de glossário e também de um profundo conhecimento na especialidade.


O principal desafio da gestão terminológica é levar a mensagem correta e sem ambiguidades ao público-alvo, driblando mensagens não-intencionais que podem surgir e causar dissonâncias. Adquira essa exatidão com as soluções de localização idiomática da ZAUM Language Services.